Se Gostas de Danças, Não Podes Perder o Festival Andanças

Já conheces  o Festival Andanças? É um festival cheio de alegria e claro danças do mundo. Esta edição é bem especial porque é o número 20!

Desde o dia 3 até 9 de Agosto vais ter a oportunidade de imergir num mundo de danças espetacular. O evento terá lugar na Barragem da Póvoa e Meadas. Para mais informação sobre como chegar lá, lê aqui.

Neste momento a bilheteira da loja online esta encerrada, mas podes sempre comprar bilhetes no festival.

O preço dos bilhetes varia entre os 25 e 112 € dependente dos dias que queres ficar.

Seguindo o site oficial do festival, comprando 1 bilhete estás a contribuir para

Desenvolver um espaço onde se experimentam e disseminam boas práticas ambientais e sociais;
— Permitir que o Andanças continue a ser um espaço livre de marcas, publicidade e merchandising;
— Assegurar contrapartidas para os cerca de 600 artistas que preenchem a programação do Andanças e permitem a viagem em culturas e territórios dentro do espaço do Festival;
— Construir palcos, infraestruturas, caminhos, chuveiros, instalações sanitárias, canalizações, circuitos elétricos em todo o espaço Andanças, um espaço com cerca de 40 hectares e com as condicionantes que advém da sua localização num parque natural;

— Facilitar a opção pela mobilidade sustentável, permitindo o transporte gratuito de participantes entre as paragens dos transportes públicos mais próximas e o espaço do Festival;
— Abastecer a Cantina Andanças com produtos locais, estimulando a economia local, o comércio tradicional e dando preferência a pequenos produtores, mesmo quando esta escolha implica maior despesa para a organização;
— Executar todas as tarefas inerentes ao desenvolvimento de um festival de grande dimensão que se rege por princípios de bem estar social e respeito ambiental em todas as fases de desenvolvimento.

andancas3

andancas2009

andancas4

Um pouco sobre a historia do festival

Nasceu em Évora, fruto do sonho de uns estudantes em 1996.

Aqui fica a historia que também podes ler no site oficial aqui.

Paulo Pereira acabado de regressar de Barcelona, onde estudou ao abrigo do programa Erasmus, partilha as experiências que viveu com os seus amigos, entre os quais se encontram Diana Mira e João Pires.

Em Barcelona, assim como em outras regiões europeiras assistia-se ao renascimento da música tradicional, através da integração da música, da dança tradicional e da arte de construir instrumentos num movimento abrangente e popular.

A descoberta da música tradicional marcou Paulo de tal forma, que juntamente com um grupo de amigos formou o grupo de baile Bailia, que tocava músicas tradicionais europeias, como por exemplo a mazurca.
Mas só isso não chegava para Paulo, que conseguiu convencer os amigos a viajarem com ele até França, onde participaram num festival de dança.

A viagem influenciou de tal forma o grupo de amigos, que decidiu criar um festival do género aqui em Portugal, com o objectivo de divulgar a dança como parte integrante da tradição musical de diferentes países, europeus e não europeus e de despertar o interesse para as danças tradicionais portuguesas, tornando-as acessíveis ao público em geral sildenafil citrate generic.E assim nasceu a 1ª edição do Festival Internacional de Danças Populares que teve lugar em 1996, de 1 a 3 de Novembro em Évora e contou com a participação de 3 grupos de baile, a actuação de 3 grupos de dança tradicional e a realização de 6 ateliers de dança: portuguesa, africana, europeia do século XVII, galega, nórdica e salsa, com a duração de 2 horas cada.
Paulo Pereira criou também um espaço de intercâmbio musical onde a participação estava aberta a qualquer músico interessado.
A afluência de público superou todas as expectativas, para surpresa dos jovens organizadores, dando mote à continuidade do festival.

O impacto foi brutal… mas a minha grande estupefacção é, de onde é que apareceram aquelas 400 ou 500 ou 600 pessoas no primeiro festival, na primeira edição, já não me lembro dos números. Eram muitas, muitas para as condições em que foi divulgado, com pessoas completamente inexperientes a organizar, pessoas sem contactos no meio da dança, no meio da música alguns, mas não era por aí, ou seja, é estranhíssimo como é que apareceu tanta, pouquíssima gente para os números que o festival tem hoje, mas tanta gente para as expectativas de quem organizava.

– João Pires

Estás a espera do que, visita já o site oficial para saber mais ou simplesmente faz as malas e vá para o Festival Andanças!